13 de maio de 2012

Carta ao Vinícius (Mas vocês podem ler, enquanto ele não aprende.)

Sabe, filho, em setembro de 2010 engravidei de você. Nessa época minha vida tinha uma formatação completamente diferente da atual. Eu e seu pai morávamos em outra casa. Pensávamos em outras coisas. Nossa tão diferentes... tão inocentes... tão crus ainda... Caramba! Outras pessoas! Só agora me dei conta!

Não foi uma gravidez planejada. Mas era sim muitíssimo desejada e sonhada por mim. Só estava disposta a esperar mais uns anos. Por quê? Porque a gente tem essa mania de esperar, meu filho. Você vai ver como é. Você vai aprender na escola (e se Deus quiser, vai aprender bem direitinho) que existe uma coisa chamada “planejamento familiar”. E essa coisa baseia-se em números e circunstâncias. Se conseguirmos adequá-los, BINGO! Se não... Bom, dá certo também. Porque sempre dá. (Mamãe é uma otimista).

Depois de estabelecida a gravidez (e de 3 dias chorando em pânico), passei a curti-la. Sempre quis ser mãe. Você, se já me observava lá de cima, deve ter notado. Assumi. Para mim e para o mundo. Não esperei completar as tais 12 semanas de gestação para divulgar sua existência. Nunca tive medo de você sair de cena e "não vingar". E estava certa desde o primeiro xixi na tirinha, de que minha vida mudaria para sempre. Ok, não imaginava que seria tão radicalmente, confesso, mas a gente nunca imagina né, filho? A gente não sabe de nada! (Espero que você só perceba a topeirisse da sua mãe quando já souber se virar bem sozinho!).

A gravidez avançou tecnicamente perfeita. Digo ‘“tecnicamente” porque sua mãe e seu pai andaram dando umas cabeçadas, sabe? E isso é assim mesmo. Tem horas em que a vida pesa e a gente precisa puxar as âncoras. Sua mãe e seu pai tinham que crescer para receber você. E crescer sozinhos, sem que um ajudasse (ou atrapalhasse) o outro. Pouco antes de você nascer, já não éramos mais um casal. Mas negar o amor é impossível. Porque você existe e o reafirma diariamente. Esse é o início da sua história, meu filho. E incluiu dor, sim. Mas não só isso. Deus me livre de resumir sua chegada a esses fatos. Temos tanto mais...

Quando você nasceu, mamãe já estava passando uns dias aqui, na casa da vovó. Daí você completou 1 mês de vida e o que era uma temporada se tornou “status quo”. Daquele momento em diante viveríamos aqui, formando um quarteto (sim, somos 4: eu, você, vovó Marina e Naná!). Claro que seu pai faz parte. Claro. Ele está lutando muito para se entender como tal. E a cada semana, a cada visita, a cada identificação de semelhanças, se sente mais parte de você. Ou sente você como mais parte dele... Desculpa, filho, é que sua mãe é mulher e não sabe como a paternidade se estabelece. Isso de ser mãe é muito forte, muito maluco. Não deixa espaço pra pensar no que o seu pai sente. Só sei que é amor. Porque é impossível não te amar.

Tenho certeza de que seria igualmente feliz sendo mãe de qualquer outro ser humano. Claro. Não cometeria a indelicadeza de renegar as demais infinitas combinações de óvulos e espermatozoides que lhe cederam a vez. Mas a vida, essa danada, me mandou VOCÊ. O Vinícius. Por enquanto o MEU Vinícius e brevemente (desacelere, tempo, por favor!) o Vinícius homem, Vinícius cara legal, Vinícius cidadão, Vinícius pessoa física. E eu te amo tanto HOJE, meu filho. Amo seu reconhecimento, suas gargalhadas, sua manha eterna. Amo até o seu cocô mais fedido do universo. Porque é assim que deve ser. É assim que é.

Você está tão forte, tão crescido, tão menino. Brinca de carrinho, veja você. Eu, filho, você sabe, tô aqui sendo feliz com você e para você. Mas para mim também. Nem sempre é fácil, e muitas vezes me pego te usando como justificativa para minha covardia. Desculpe, viu? É muito feio, isso.

Hoje é meu primeiro Dia das Mães. Um dia que me dói, por algumas razões. Mas que me deixa tão feliz, por tantas outras. Um dia comum, pois todos os dias trazem motivos pra sofrer e comemorar. E um dia incomum, porque nunca é justo subavaliar a dimensão da maternidade.

Um bom dia pra nós, meu filho.

35 comigo:

Anônimo disse...

Oi guriazinha, seja feliz com seu Vinicius, e continua nos contando a sua vida, pois a gente tb aprende com as experiênciasalheias.Sou mãe de Sabrina, 34 anos e para mim ela ésempre o meu bebê.Hoje sou trasnpalantada e quem é a minha mãe é ela.Nós duas adoramos o seu blog, acompanhamos a bastante tempo. Curte bastante o teu bebê, pois é o que importa!!! Filhos são as verdadeiras dores e os verdadeiros amores. Somo de Porto Alegre]RS.BEIJOS. dULCI

fátima disse...

acho o seu filho um debochado, sabia? olhe bem pra ele: não parece sempre estar debochando da gente (pelo menos nas fotos)?

feliz dia das mães!!
bj

Anônimo disse...

Estava com saudades.
Não suma.
Felicidades e parabéns pelo Dia das Mães

Carol disse...

Seu filho vai gostar quando poder ler e entender tudo isso.
Feliz Dia das Mães.
Beijos

kika disse...

OLÁ MOÇA...
CURIOSAMENTE CHEGUEI AO SEU BLOG ATRAVÉS DE OUTRO Q NEM LEMBRO MAIS E FIQUEI ENCANTADA COM SEU BOM HUMOR E SEU JEITO DE RIR DE SI MESMA TB. ADORO SUAS "ARTES" E TB FAÇO AS MINHAS. LI TODOS OS SEUS POSTS PRA TE CONHECER MELHOR E A CADA DIA EU ME DIVERTIA MAIS, EM OUTROS SOFRIA JUNTO COM VC, ENFIM ME IDENTIFIQUEI EM MTAS COISAS Q VC DIZ E PENSA. DESEJO A VC MTAS FELICIDADES DE VERDADE, PRA VC E SEU BEBE. SORTE NA VIDA. BEIJOS E ATÉ A PRÓXIMA. NÃO NOS DEIXE TANTO TEMPO ASSIM SEM SUA GRAÇA E ALEGRIA...

Daniele Mariano - AL disse...

Feliz dia das mães!
Adorei a carta para o Vini, senti muito amor nas suas palavras e isso é muito bom (para os 3 viu!). bjus

Juliana disse...

coisa mais linda desse mundo!

Nínive Lage disse...

Li da maneira mais amorosa que pude e tentei entender até as entrelinhas, se é que isso me cabia fazer. Espero, sinceramente, que a família toda esteja bem, unida em com amor, onde a intersecção dele, se chama Vinícius.
PARABÉNS!

Mari disse...

Que lindo! Tenho certeza que o Vinicius, mesmo sem ainda saber ler, tem o maior orgulho da mãe que tem. Um abração e feliz dia das mães!

leanasa disse...

Ah, Elisa, vc com jeitinho tão especial de escrever, me fez chorar...

Otimista, divertida, e muitas vezes debochada, diz tantas verdades que muitas vezes insistimos em esconder.

Parabéns pelo dia de ontem, parabéns pelo jeito tão impar de viver!!

Leana Sá disse...

Ah, Elisa, vc com jeitinho tão especial de escrever, me fez chorar...

Otimista, divertida, e muitas vezes debochada, diz tantas verdades que muitas vezes insistimos em esconder.

Parabéns pelo dia de ontem, parabéns pelo jeito tão impar de viver!!

Substantivo Feminino disse...

Ah, Elisa, vc com jeitinho tão especial de escrever, me fez chorar...

Otimista, divertida, e muitas vezes debochada, diz tantas verdades que muitas vezes insistimos em esconder.

Parabéns pelo dia de ontem, parabéns pelo jeito tão impar de viver!!

Sonia Braz disse...

Ai, Elisa, eu já tinha até parado de vir aqui, de tão mofento que tava sue blog.. daí venho, e tu me faz chorar. Ainem! kkkk Parabéns pelo dia de ontem, e por todos os outros - os passados e os que virão! Você é uma LINDA e merece ser plenamente realizada, como mãe, como mulher, como essa pessoa incrivelmente bem humorada e otimista (até mesmo nas piores fases). Um beijão!

Anônimo disse...

Elisa, parabéns pelo lindo filhote e parabéns pela mulher linda e corajosa que você é...

Evelyn Neves

Silvinha disse...

menina, ja faz tempo que curto seu jeito de escrever e seu jeito de olhar a vida. agora to tambem admirada pq vc e' valente demais. sobreviver a uma separacao e criar um filho simultaneamente nao deve ser bolinho nao... parabens pra voces.

Chez Ju disse...

Lindo, Elisa!
beijo e escreva mais, vai! Adoro!
julia.

Denise disse...

Que coisa linda, Elisa!!!! É sempre uma delícia ler o que você escreve. Estava sentindo a tua falta por aqui. E tenho certeza de que todo o mundo! Continue por perto. Beijão!

Denise disse...

Que coisa linda, Elisa!!!! É sempre uma delícia ler o que você escreve. Estava sentindo a tua falta por aqui. E tenho certeza de que todo o mundo! Continue por perto. Beijão!

leila disse...

Acho que precisamos fazer uma campanha "VOLTA ELISA" ave maria que falta seu blog atualizado faz!Bjs

Renata Neris disse...

Que bonito, moça...

Paty disse...

Super bem escrito e muito sincero, acredito. Gostei principalmente do parágrafo final, com a questão de não ser justo subavaliar a dimensão da maternidade.

Tenho certeza que, se algum dia teu filho ler isso, sentirá grande orgulho.

Abraço! :)

AnaDora disse...

LINDO.

AnaDora disse...

LINDO.

LEDA disse...

Volta Elisa!! gostamos de voce e do jeito que vc escreve;sentimos saudades! tudo de bom para voce,num dia das mães que é qualquer todo dia!
"escreve prá nós"",escreve!

Com licença , por favor , Obrigado ! disse...

Elisa senti sua falta, vez por outra eu vinha aqui e tem meses que deixei de vim! e minha surpresa foi boa ao ver seu blog novo! Ao ler sua carta chorei, (isso é fácil para mim, choro por tudo!)parecia que estava lendo um livro do qual não queremos parar, livro triste e feliz ao mesmo tempo, agora entendo porque sumiu tbm!seja feliz, nesse desafio, que bom que vc tem uma família p/ te apoiar, mais no fundo eu sei bem o que vc queria, o que todas queremos...
agora ligo os pontos das coisas e entendo! beijos!

Luana Britto disse...

Elisa! Você é inédita mesmo! Já pensou em escrever um livro? Engraçado, me identifiquei muito com essa carta. Tive uma gestação e o início da maternidade um pouquinho "badalada" também. Hoje somos uma família feliz de PAPAI, MAMÃE E FILHINHA, com direito a cachorro e peixe, uma casa fofa com plantas e finais de semana iluminados! Tudo acontece na hora certa e pasme, sempre o contrário do que imaginamos, e lá na frente descobrimos que é bem melhor do que os nossos sonhos mais lindos! Grande Beijo no seu fofucho!

Luana Britto disse...

Elisa! Você é inédita mesmo! Já pensou em escrever um livro? Engraçado, me identifiquei muito com essa carta. Tive uma gestação e o início da maternidade um pouquinho "badalada" também. Hoje somos uma família feliz de PAPAI, MAMÃE E FILHINHA, com direito a cachorro e peixe, uma casa fofa com plantas e finais de semana iluminados! Tudo acontece na hora certa e pasme, sempre o contrário do que imaginamos, e lá na frente descobrimos que é bem melhor do que os nossos sonhos mais lindos! Grande Beijo no seu fofucho!

Inaie disse...

que linda declaração de amor... e eu NUNCA TIVE AULA DE PLANEJAMENTO FAMILIAR, deve ter sido por isso que as minhas filhas também apareceram do nada, sem avisar e vieram pra ficar. Que bom!!

AdriCamelo disse...

Vinícius vai adorar ler tudo isso. Tenha certeza!

Diane Lorde disse...

Que carta mais linda e emocionante, parabéns!

A INCRÍVEL falível disse...

Entendo tudo. Adoro! Benzadeus esse talento de tão bem saber traduzir sentimentos em palavras. Assim como é impossível não amar o Vinícius é impossível não se sua fã. bj

João Esteves disse...

Elisa, só agora li este post significativamente publicado a 13 de maio. Li vários outros e me diverti muito com sua maneira humorosa de comunicar coisas, desde o nome do blog, que já anuncia e promete humor, mas sobretudo cumpre. Um humor natural, bem inteligente mesmo(inclunive a cada um 'dã!' que você aplica sem nenhuma economia a si própria).
O humor é sua marca registrada e indissociável, mas no presente post ele aparece em plano secundário. Aqui você está lírica, de um lirismo autobiográfico. Tocante.

Débora Buarque disse...

PQP...Elisa...depois de passar tempos sem vir xeretar vc...qdo li o poste depois desse percebi a palavra "solteira"!!!, e que susto tomei, pra vc ver, só sabe quem vive, né, e a gente aqui do outro lado do teclado pensando como a vida de todo mun do é e está maravilhosa sempre e a nossa sempre uma merda, qdo na verdade estamos todas no mesmo barco pq a coisa mais certa nesse mundo é que homem é tudo igual..kkk
Poxa amiga, esteja feliz, esse seu dom da palavra só me lembra minha prima-irmã Tatinha, e como eu, ela, e muitas outras vc não é diferente, nem melhor nem pior, é apenas tb especial! somos especiais pq somos mulher, depois pq somos mãe e muito depois pq evoluimos e aprendemos a recomeçar, tb me separei e 6 meses depois arrumei um namorado maravilhoso que trepa, sim ele trepa e muito, e quase todo dia o que faz a minha felicidade pq o outro não dava no couro, não é rico, não tem carro novo, mmas ele gosta de sexo COMIGO, e é disso que eu estava precisando, além de tudo mais q ele me dá...vc tb vai encontrar o seu, q como o meu vai mostrar o quanto vc é maravilhosa, gostosa e gostosa meeesmo, viu!Pq mulher gosta de dinheiro e muito mais de sexo, né de conversinha não!kkkk....felicidades loucas pra vc e a minha filha ja tem 9 anos e ta se adequando a tudo com tranquilidade( as vzs), e o Vini ainda vai crescer e vc vai ter tempo pra amar de novo minha flor...tenha pressa não, o amor vem, bate sim na porta e nos d´pa um beijo na boca daqueles das pernas amolecerem e a gente virar os "zoinho", viu!!..kkk...Adoro vc, meeesmo! parabéns por ser vc assim, louca mesmo.bjus

Déia disse...

acabei de descobrir seu blog e adorei! Tb tenho um bebê de 1 ano e 3 meses (de maio de 2011) e chorei agora lendo sua carta... que lindo!! e como a gente ama esses humaninhos!!!
Sobre falar papai o meu não fala de jeito nenhum! Meu marido e eu tentamos todos os dias e ele só fala mamãe, mamã ou coisa do tipo, inclusive pro pai, chama ele de mamã e agora de uns dias pra cá tá chamando ele de "mamão" rsrs

Trícia disse...

Elisa, agora que li este teu post. Nem sei o que dizer desse texto olha! De uma transparência, entrega, verdade e tão bonito, bem escrito, emocionante!

Lindo!